Artigos Relacionados

O desafio do marketing político

Aperto o play, na TV pessoas felizes, trilha sonora envolvente e o “cândido” candidato promete mudanças significativas “na vida de cada um de vocês”. Desligo a TV. O grupo focal de pesquisa qualitativ

EUA terão dificuldades em negociar acordos bilaterais de comércio

A maneira mais suave que Trump e sua equipe encontraram de dizer que os EUA estão abertos para negócios reside na fórmula "queremos comércio justo, não comércio livre" ("we want fair trade, not free t

“É impossível conhecer todos os candidatos”, diz especialista

A redução do tempo de campanha e, principalmente, o grande número de candidatos existentes, faz com que o eleitor não consiga analisar bem as propostas. Essa é a avaliação do professor e cientista po

A poesia em estado divino

A maior poeta viva do Brasil mora até hoje em Divinópolis, uma cidade sossegada de 200 mil habitantes localizada a 120 km de Belo Horizonte, incrustada às margens da Estrada de Ferro Oeste de Minas.

Trump defensor da globalização?

Guerra comercial, instabilidade emocional, populismo, tolerência com autoritarismo, inexperiência no mundo político. Todas essas noções fazem parte da "nuvem" Donald Trump e da presidência que s

Marcos Troyjo: Haverá uma 'Doutrina Trump'?

Muitas diplomacias e políticas de defesa se orientam com base em "manuais do usuário" ? atualizados de tempos em tempos ao sabor das preferências dos mandatários e das exigências da conjuntura.

Aslemg fala sobre a ATA Palestras

A Associação dos Servidores do Legislativo de Minas Gerais, em mensagem dirigida a ATA, elogiou a atuação da empresa na contratação da poeta Adélia Prado para evento organizado pela entidade.

Para equipe de Trump, protecionismo não é palavrão

A equipe comercial do presidente eleito dos EUA, Donald Trump, quer promover uma reviravolta na conotação de um dos termos mais demonizados no dicionário das relações econômicas internacionais:

Adélia Prado lança livro de poemas sobre o Natal

A poeta Adélia Prado lançou, em Belo Horizonte, no dia 5 de dezembro, o livro “Cantiga dos meninos pastores” (Ed. Gulliver), texto dela com ilustrações de Ângela Leite de Souza.

Vem aí uma 'Guerra Fria econômica' entre EUA e China?

Ao final de 2016, num contexto em que forças de desglobalização operam grandes inflexões (Brexit, Trump, ascensão de populismos), ganha força entre muitos analistas o argumento de que estamos adentran

Se você não falar bem, deixará que mentiras o vençam na vida e no trabalho

Certa vez, ainda no início da minha carreira como professor de oratória, conversava com um de nossos alunos que estava junto com a mulher.

O mundo visto de Moscou parece sorrir para Putin

É muito aguardada em Moscou – e também nas capitais ocidentais– a entrevista coletiva que o Presidente Vladimir Putin tradicionalmente dá alguns dias antes do Natal.

Comunicação de Trump não se compara à de Kennedy, assassinado 53 anos atrás

No dia 22 de novembro de 1963, o ex-presidente americano John F. Kennedy era assassinado em Dallas, nos Estados Unidos. Neste momento em que há tantas dúvidas sobre o comportamento do presidente eleit

Museu do Amanhã ganha prêmio internacional com Santos Dumont

Medalha de ouro foi anunciada ontem em conferência no Canadá

Eleição de Trump leva à triste queda do 'soft power' americano

Robert Ellsworth, embaixador de Richard Nixon na OTAN, argumentava que o papel de seu país no cenário internacional poderia ser tão positivo a ponto dos EUA merecem o título de única "superpotência be

Eleição de Trump representa 'fim do mundo como o conhecemos', analisa Marcos Troyjo

Durante a corrida à Casa Branca, escancararam-se grandes diferenças no estilo de política externa dos EUA defendido pelos candidatos Hillary Clinton ou Donald Trump.

Marcelo Gleiser lança livro 'A simples beleza do inesperado'

Em linguagem clara e acessível, o físico Marcelo Gleiser lança livro que aborda questões existenciais.

Delfim Neto avalia que a PEC 241 trará bons frutos para a economia

O economista, professor e ex-ministro Delfim Neto acredita que a adoção da PEC 241 mostra um sinal de boa fé da nova gestão em um momento de severo desarranjo fiscal.

A Importância das palestras motivacionais nas empresas

Manter uma equipe motivada, inspirada e muito bem treinada para que os resultados positivos aconteçam, não é nada fácil nos tempos de economia em recessão.

A poeta Adélia Prado fala de amor na abertura da 3ª Bienal do Livro

O evento começou na sexta (21/10) e vai até 30/10. Outro homenageado será o sociólogo português Boa Ventura de Sousa Santos

Delação conjunta da Odebrecht pode ser assinada em até três semanas

O pedido de delação premiada da empresa Odebrecht está em fase final, e o acordo pode ser assinado com o Ministério Público Federal em até três semanas, depois de pelo menos quatro meses de negociação

Luiz Felipe d’Avila: “O populismo que prevaleceu nos anos petistas foi um desastre para as instituições democráticas”

O cientista político Luiz Felipe D’Ávila vem desenvolvendo há anos um trabalho de capacitação e formação de lideranças políticas em seu Centro de Lideranças Públicas (CLP). Confrontado com o resultado

O Brasil vai a votos. Temer e Dilma enfrentam o primeiro teste nas urnas

Oficialmente, estão em jogo as eleições municipais. Mas este será também o primeiro teste para Michel Temer, a primeira disputa do PT pós-Dilma e a oportunidade para novas forças emergirem.

Quando os preços se sobrepõem aos valores

Aquela poderia ser mais uma manhã como outra qualquer...

Quando a palestra parece lobby

Quem já assistiu sabe o quanto é valiosa uma palestra do ex-presidente Bill Clinton. O homem...

Para equipe de Trump, protecionismo não é palavrão

A equipe comercial do presidente eleito dos EUA, Donald Trump, quer promover uma reviravolta na conotação de um dos termos mais demonizados no dicionário das relações econômicas internacionais: o "protecionismo".

O tom negativo associado à palavra tinha sua função no contexto da Guerra Fria. O "mundo livre" (essencialmente EUA, Canadá, Europa Ocidental e Japão pós-1945), em contraposição ao bloco socialista, floresceria mediante maior intercâmbio comercial e seu apego normativo-ideológico a "mercados abertos".

Protecionismo, ali, prestava-se à crítica de sistemas econômicos menos "interconectados" do que o do capitalismo ocidental.
Ainda no quadro contemporâneo à Guerra Fria, protecionismo foi associado a estratégias de industrialização em diferentes partes do mundo –e particularmente na América Latina e no Sudeste Asiático - mediante políticas de substituição de importações.

Como sabemos, protecionismo, nessa acepção, significou estatismo e insularidade comercial para os latino-americanos. Para os asiáticos (em especial, Coreia do Sul, Taiwan, Hong Kong e Cingapura), o conceito implicava um escudo temporário de proteção a indústrias nascentes –tudo no âmbito de um planejamento abrangente em que se estipulavam métricas de
performance e prazos para competir em nível internacional.

É, contudo, com a queda do Muro de Berlim e o desencadeamento de uma "globalização profunda", de finais dos anos
1980 à grande crise financeira de 2008, que o termo protecionismo recebeu sua maior vilanização.

Países exportadores de commodities agrícolas apontavam o dedo ao protecionismo europeu –argumentando que, para um supermercado na Alemanha, era mais barato comprar uma vaca criada no Brasil e embarcada de classe executiva para Frankfurt do que os subsídios destinados à produção de uma rês em território europeu.

Durante a globalização profunda, os integrantes do G7 acusavam países em desenvolvimento de protecionismo industrial e de manutenção de economias bastante fechadas.

Mesmo no âmbito da relação comercial entre os países mais avançados econômica e tecnologicamente –de que são exemplos os vários contenciosos entre EUA e Japão em setores como aço e automóveis–, chamar o outro de protecionista era algo que pouco se distanciava de um xingamento.

Essa conotação negativa de protecionismo é amplamente explicada pelo "código moral" da globalização profunda, período em
que vigoram os valores do "Mundo Plano", famosa expressão do jornalista Thomas Friedman.

Ou seja, o protecionista era antagônico a pilares do pós-Guerra Fria, como a expansão do comércio internacional, o aumento dos fluxos globais de investimento estrangeiro direto, os experimentos em integração econômica vertical (com blocos regionais como União Europeia, Nafta e Mercosul) e a consequente expansão das "chamadas cadeias globais de valor".

Na terça (3), Trump anunciou o advogado Robert Lighthizer, conhecido defensor de medidas protecionistas por parte dos EUA (sobretudo em negociações com parceiros asiáticos) como representante comercial norte-americano (USTR, na sigla em inglês).

Assim, o presidente eleito colige uma equipe em que também se destacam o investidor Wilbur Ross (que será secretário de Comércio) e o economista Peter Navarro (a chefiar o futuro Conselho Nacional de Comércio da Casa Branca). Ambos preconizam abertamente a necessidade de "proteger" a economia americana da competição desleal.

Para Ross, durante décadas, a principal fonte de "deslealdade" no comércio internacional era o Japão. Para Navarro, o foco das distorções comerciais deslocou-se para a China. Ele argumenta que o Estado chinês subsidia injustamente sua indústria, o que teria levado os EUA a perderem sua base manufatureira. Navarro condensa muito de suas visões em livro e documentário intitulados "Death by China" ("Causa da Morte: China").

No cenário que se vislumbra a partir dos estrategistas comerciais de Trump, protecionismo é menos algo "derrogatório" ou
"detrimental". Para a futura administração da Casa Branca, protecionismo é recurso a um só tempo "legítimo", "realista" e "natural" na relação entre os protagonistas da economia global.

Lighthizer defende a tese de que foi justamente o protecionismo advogado por Alexander Hamilton (primeiro secretário do Tesouro e um dos Founding Fathers) que permitiu a emergência do capitalismo industrial nos EUA.

Nesse aspecto, o futuro representante comercial dos EUA valida as observações do economista sul-coreano Ha-Joon Chang, professor da Universidade de Cambridge, que questiona os cânones liberais do comércio em livros como "Chutando a Escada" e "Maus Samaritanos - O Mito do Livre Comércio".

Neles, Chang analisa o "Milagre do Rio Han", a ascensão econômica –graças também ao protecionismo– da Coreia do Sul. Examina igualmente a trajetória de Grã-Bretanha e EUA, que, segundo o autor, só arremeteram pois em certos estágios de industrialização foram os países "mais protecionistas do mundo".

Em 20 de janeiro, com a posse Trump, tudo aponta que os EUA inaugurarão oficialmente uma filosofia em que o livre comércio, longe de promover eficiência dos mercados, é principalmente um veículo para a ascensão econômica e militar de potências "desonestas" como a China.

Nesse mundo, ser comercialmente protecionista, como aventam os altos conselheiros de Trump, não é algo de que se envergonhar. No conjunto de valores da nova Casa Branca, mais do que legal e necessário, o protecionismo é sobretudo louvável.

Fonte: Folha de São Paulo

ATA news

CADASTRE-SE E RECEBA TODAS AS NOVIDADES