Artigos Relacionados

O desafio do marketing político

Aperto o play, na TV pessoas felizes, trilha sonora envolvente e o “cândido” candidato promete mudanças significativas “na vida de cada um de vocês”. Desligo a TV. O grupo focal de pesquisa qualitativ

EUA terão dificuldades em negociar acordos bilaterais de comércio

A maneira mais suave que Trump e sua equipe encontraram de dizer que os EUA estão abertos para negócios reside na fórmula "queremos comércio justo, não comércio livre" ("we want fair trade, not free t

“É impossível conhecer todos os candidatos”, diz especialista

A redução do tempo de campanha e, principalmente, o grande número de candidatos existentes, faz com que o eleitor não consiga analisar bem as propostas. Essa é a avaliação do professor e cientista po

A poesia em estado divino

A maior poeta viva do Brasil mora até hoje em Divinópolis, uma cidade sossegada de 200 mil habitantes localizada a 120 km de Belo Horizonte, incrustada às margens da Estrada de Ferro Oeste de Minas.

Trump defensor da globalização?

Guerra comercial, instabilidade emocional, populismo, tolerência com autoritarismo, inexperiência no mundo político. Todas essas noções fazem parte da "nuvem" Donald Trump e da presidência que s

Marcos Troyjo: Haverá uma 'Doutrina Trump'?

Muitas diplomacias e políticas de defesa se orientam com base em "manuais do usuário" ? atualizados de tempos em tempos ao sabor das preferências dos mandatários e das exigências da conjuntura.

Aslemg fala sobre a ATA Palestras

A Associação dos Servidores do Legislativo de Minas Gerais, em mensagem dirigida a ATA, elogiou a atuação da empresa na contratação da poeta Adélia Prado para evento organizado pela entidade.

Para equipe de Trump, protecionismo não é palavrão

A equipe comercial do presidente eleito dos EUA, Donald Trump, quer promover uma reviravolta na conotação de um dos termos mais demonizados no dicionário das relações econômicas internacionais:

Adélia Prado lança livro de poemas sobre o Natal

A poeta Adélia Prado lançou, em Belo Horizonte, no dia 5 de dezembro, o livro “Cantiga dos meninos pastores” (Ed. Gulliver), texto dela com ilustrações de Ângela Leite de Souza.

Vem aí uma 'Guerra Fria econômica' entre EUA e China?

Ao final de 2016, num contexto em que forças de desglobalização operam grandes inflexões (Brexit, Trump, ascensão de populismos), ganha força entre muitos analistas o argumento de que estamos adentran

Se você não falar bem, deixará que mentiras o vençam na vida e no trabalho

Certa vez, ainda no início da minha carreira como professor de oratória, conversava com um de nossos alunos que estava junto com a mulher.

O mundo visto de Moscou parece sorrir para Putin

É muito aguardada em Moscou – e também nas capitais ocidentais– a entrevista coletiva que o Presidente Vladimir Putin tradicionalmente dá alguns dias antes do Natal.

Comunicação de Trump não se compara à de Kennedy, assassinado 53 anos atrás

No dia 22 de novembro de 1963, o ex-presidente americano John F. Kennedy era assassinado em Dallas, nos Estados Unidos. Neste momento em que há tantas dúvidas sobre o comportamento do presidente eleit

Museu do Amanhã ganha prêmio internacional com Santos Dumont

Medalha de ouro foi anunciada ontem em conferência no Canadá

Eleição de Trump leva à triste queda do 'soft power' americano

Robert Ellsworth, embaixador de Richard Nixon na OTAN, argumentava que o papel de seu país no cenário internacional poderia ser tão positivo a ponto dos EUA merecem o título de única "superpotência be

Eleição de Trump representa 'fim do mundo como o conhecemos', analisa Marcos Troyjo

Durante a corrida à Casa Branca, escancararam-se grandes diferenças no estilo de política externa dos EUA defendido pelos candidatos Hillary Clinton ou Donald Trump.

Marcelo Gleiser lança livro 'A simples beleza do inesperado'

Em linguagem clara e acessível, o físico Marcelo Gleiser lança livro que aborda questões existenciais.

Delfim Neto avalia que a PEC 241 trará bons frutos para a economia

O economista, professor e ex-ministro Delfim Neto acredita que a adoção da PEC 241 mostra um sinal de boa fé da nova gestão em um momento de severo desarranjo fiscal.

A Importância das palestras motivacionais nas empresas

Manter uma equipe motivada, inspirada e muito bem treinada para que os resultados positivos aconteçam, não é nada fácil nos tempos de economia em recessão.

A poeta Adélia Prado fala de amor na abertura da 3ª Bienal do Livro

O evento começou na sexta (21/10) e vai até 30/10. Outro homenageado será o sociólogo português Boa Ventura de Sousa Santos

Delação conjunta da Odebrecht pode ser assinada em até três semanas

O pedido de delação premiada da empresa Odebrecht está em fase final, e o acordo pode ser assinado com o Ministério Público Federal em até três semanas, depois de pelo menos quatro meses de negociação

Luiz Felipe d’Avila: “O populismo que prevaleceu nos anos petistas foi um desastre para as instituições democráticas”

O cientista político Luiz Felipe D’Ávila vem desenvolvendo há anos um trabalho de capacitação e formação de lideranças políticas em seu Centro de Lideranças Públicas (CLP). Confrontado com o resultado

O Brasil vai a votos. Temer e Dilma enfrentam o primeiro teste nas urnas

Oficialmente, estão em jogo as eleições municipais. Mas este será também o primeiro teste para Michel Temer, a primeira disputa do PT pós-Dilma e a oportunidade para novas forças emergirem.

Quando os preços se sobrepõem aos valores

Aquela poderia ser mais uma manhã como outra qualquer...

Quando a palestra parece lobby

Quem já assistiu sabe o quanto é valiosa uma palestra do ex-presidente Bill Clinton. O homem...

O mundo visto de Moscou parece sorrir para Putin

É muito aguardada em Moscou – e também nas capitais ocidentais– a entrevista coletiva que o Presidente Vladimir Putin tradicionalmente dá alguns dias antes do Natal.
 
Em 2015, o encontro do mandatário russo com jornalistas ficou marcado pela frase: "não queremos a volta da União Soviética, mas ninguém acredita em nós.
 
Putin indicava que todas as ações de EUA e Europa na última década, seja no caso da Ucrânia ou em outras áreas da antiga esfera soviética, orientaram-se a "conter" a Rússia.
 
Para o Kremlin, isso remete às famosas recomendações de George Frost Kennan, pai intelectual da "doutrina da contenção" que forneceu o substrato conceitual para o desenrolar da Guerra Fria.
 
Tenho para mim que a Rússia de hoje, ao contrário da URSS, não é expansionista. Ela não deseja onipresença geopolítica, mas manter sua atual integralidade territorial. Ambiciona, assim, segurança e previsibilidade em suas (imensas) fronteiras. E, mais ainda, quer respeito.
 
Isso explica muito do porquê os russos continuam a suportar Putin. O estilo do titular do Kremlin é visto por seus compatriotas como fundamental em evitar desmembramentos territorias na Chechênia e no Tatarstão. Enfrentou crises terroristas como a da escola em Beslan ou o sequestro do Teatro Dubrovka com sua impiedosa rudeza, o que lhe garantiu capital de apoio para reequilibrar sua insatisfatória liderança na modernização institucional do país.
 
Os russos também nutrem enorme admiração pelo papel de Putin na anexação da Crimeia –o que ajuda a amainar os duros efeitos na economia que os russos experimentam desde que o Ocidente lhes impôs sanções.
 
A população sabe que tem um presidente forte, mas não modernizador. E, em nome de algumas realizações que fazem bem à alma russa –como é reaver a Crimeia–, topam tolerar Putin. E o custo disso tudo para aos russos é um lento ritmo de modernização institucional rumo a uma sociedade mais aberta. Como é natural, isso alimenta uma certa resignação triste, que tanto marca o conhecido fatalismo russo.
 
Nos últimos três anos, tenho passado a cada fim de outono uma semana em Moscou dando aulas na RANEPA, a Academia Presidencial Russa de Economia e Administração Pública. Nesse período, nunca encontrei os russos tão entusiasmados quanto a seu futuro de médio prazo quanto agora. A razão da mudança de humor entre os russos tem nome: Donald Trump.
 
Os russos acompanharam a eleição americana com enorme interesse. Trump e Putin trocaram calorosos elogios durante a campanha. Muitos em Moscou acham que de agora em diante superarão esse estranhamento dos anos Obama, em que consideram terem as relações russo-americanas alcançado o pior patamar desde a Guerra Fria.
 
Aliás, os russos creditam a Obama e Hillary a vilanização de Putin. O Kremlin estaria por trás de ataques cibernéticos e outras ações de espionagem para buscar influir nas eleições presidenciais. E nesse aspecto, apesar da empatia Trump-Putin, há muitos russos de linha-dura que prometem não esquecer tão facilmente a maneira com que acham que os EUA trataram a imagem de seu país em 2016.
 
Ainda assim, os russos estão mais otimistas para suas relações com o Ocidente, embora talvez nada disso venha a se concretizar no curto prazo. É de todo improvável que Trump e Putin tenham uma reunião de cúpula no primeiro semestre de 2017.
 
Ao contrário de Putin, Trump é neófito em temas geopolíticos. Matérias quotidianas faz tempo para Putin – Síria, Estado Islâmico, Ucrânia, Otan até recentemente eram apenas "talking points" para Trump. O novo presidente americano terá de lidar com um acervo de políticas de antagonização a Moscou que se sedimentaram por anos no establishment de segurança e política externa de Washington. E ainda que EUA e Europa optem por alterar a aplicação de sanções à Rússia, isso não deve acontecer antes da eleição ao Kremlin marcada para março de 2018.
 
É por isso que Chris Weafer, o mais arguto analista ocidental residente em Moscou, sugere que o futuro da Rússia depende muito mais do que ela própria possa fazer em termos de reformas e da restauração da confiança de investidores. E não simplesmente aguardar que as mudanças venham do outro lado do mundo.
 
Quando se reunir na coletiva de imprensa às vésperas deste Natal, o presidente russo ponderará sobre um cenário que já conta com Brexit e Trump – e quem sabe possível vitória de François Fillon na França e derrota de Angela Merkel na Alemanha, além de eventuais novas fadigas na União Europeia.
 
Talvez esse conjunto de acontecimentos não inflexione o destino dos russos. Mas seguramente faz Putin abrir um largo sorriso.
 
Por: Marcos Troyjo Fonte: Folha de S. Paulo

ATA news

CADASTRE-SE E RECEBA TODAS AS NOVIDADES